Terça-feira, 30 de Janeiro de 2007
MIGUEL TORGA

"O HOMEM é, por desgraça, uma solidão:

Nascemos sós, vivemos sós e morremos sós.”

             Miguel Torga



 

Neste ano em que se comemora o centenário deste vulto das letras portuguesas, deixo-lhe aqui a minha homenagem.

 

 

Miguel Torga (Torga, ou urze, planta bravia, humilde, espontânea e com o seu habitat no chão agreste por todo o Portugal, mas particularmente nas serranias do norte), nome literário do médico Adolfo Rocha, nasceu em S. Martinho de Anta, distrito de Vila Real, a 12 de Agosto de 1907

Proveniente de uma família de gentes do campo, teve uma infância dura com trabalho árduo e contínuo.

Estudou no seminário de Lamego, emigrou para o Brasil em 1920, com apenas 13 anos, onde trabalhou na fazenda de um tio.

Regressou a Portugal em 1925, concluiu o ensino liceal e frequentou em Coimbra o curso de Medicina, que terminou em 1933.

Ainda estudante publicou os seus primeiros livros.

Exerceu medicina em S. Martinho de Anta e em outras localidades, vindo a fixar-se em Coimbra, como otorrinolaringologista, em 1939.

Muitas das suas consultas foram gratuitas uma vez que muita gente que o procurava não tinha dinheiro para as pagar. Perdia-se em conversas com os doentes, especialmente com os de condições mais modestas e os da sua região.

As tertúlias marcaram um ponto de encontro com os seus amigos, o desenvolvimento do seu espírito criador.

A intervenção cívica de Miguel Torga, na oposição ao Estado Novo e na denúncia dos crimes da guerra civil espanhola e de Franco, valeu-lhe a apreensão de algumas das suas obras pela censura e a prisão pela Pide.

Foi romancista, ensaísta, dramaturgo, autor de mais de 50 obras publicadas desde os 21 anos.

Lançou o seu primeiro livro Ansiedade (poesia) em 1928.

Publicou, entre outras obras, Rampa (1930), O Outro Livro de Job (1936), Lamentação (1943), Nihil Sibi (1948), Cântico do Homem (1950), Alguns Poemas Ibéricos (1952), Penas do Purgatório (1954) e Orfeu Rebelde (1958).

Em prosa, escreveu Pão Ázimo (1931), A Criação do Mundo - os Dois Primeiros Dias (1937), O Terceiro Dia da Criação do Mundo (1938), O Quarto Dia da Criação do Mundo (1939), O Quinto Dia da Criação do Mundo (1974) e O Sexto Dia da Criação do Mundo (1981), Bichos (1940), Contos da Montanha (1941), O Senhor Ventura (1943), Novos Contos da Montanha (1944), Vindima (1945) e Fogo Preso (1976).

Foi autor de peças de teatro, entre elas, Terra Firme (1941), Mar (1941); O Paraíso (1949).

Escreveu um Diário em dezasseis volumes, publicado entre 1941 e 1994.

Foi várias vezes premiado, nacional e internacionalmente.

Recusou, em 1954, o prémio "Almeida Garrett".

Foi proposto para Nobel em 1960, mas por interferências do poder político de então, a sua candidatura não foi aceite. Voltou, anos mais tarde, a ser proposto para o prémio Nobel de Literatura, mas não lhe foi atribuído.

Em 1969 recebeu o prémio literário "Diário de Notícias".

Em 1976 foi-lhe atribuído o "Prémio Internacional de Poesia".

Em 1981 recebeu o "Prémio Montaigne", da Fundação Alemã F.V.S.

Em 1980, ex-aecquo com Carlos Drummond de Andrade, foi galardoado com o "Prémio Morgado de Mateus".

Em 1989 foi-lhe atribuído o "Prémio Camões".

Em 1991 recebeu o "Prémio Personalidade do Ano".

Em 1992 foi galardoado com o prémio "Vida Literária" da Associação Portuguesa de Escritores.

Em 1993 foi galardoando com o “Prémio da Crítica”, consagrando a sua obra.

Veio a falecer em 17 de Janeiro de 1995 e foi enterrado em S. Martinho de Anta, junto dos pais e da irmã.

 

 

Mensagem

 

Vinde à terra do vinho, deuses novos!

Vinde, porque é de mosto

O sorriso dos deuses e dos povos

Quando a verdade lhes deslumbra o rosto.

 

Houve Olimpos onde houve mar e montes.

Onde a flor da madrugada deu perfume.

Onde a concha da mão tirou das fontes

Uma frescura que sabia a lume.

 

Vinde, amados senhores da juventude!

Tendes aqui o louro da virtude,

A oliveira da paz e o lírio agreste...

 

E carvalhos, e velhos castanheiros,

A cuja sombra um dormitar celeste

 

 

Milú Gomes

 

Milú Gomes

sinto-me: Uffff!!! Até que enfim!
música: "Vira de Coimbra" - Victor Almeida e Silva
tags:
publicado por zeca maneca às 00:44
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De wind a 30 de Janeiro de 2007 às 01:13
Excelente post:)
beijos
De m.bovary a 4 de Fevereiro de 2007 às 03:01
Olá,

escrevo do Brasil e por acaso encontrei seu blog.Me agradou muito.
Principalmente o post sobre River Phoenix.É meu ator favorito.No entanto,devo dizer que Joaquin nunca ganhou um Oscar,apenas foi indicado 2 vezes.

Quanto a informação de River ser epiletico,nao sabia disso!!Onde voce viu?

Se puder responder no meu blog,agradeceria imensamente. O video que sua amiga fez em homenagem eh mt bonito,emocionante.

=]

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.posts recentes

. Depois de Férias

. Até um dia destes...

. Uma vida sempre a correr....

. Um soneto de Florbela Esp...

. DIA DA MÃE

. Uma viagem virtual por Ti...

. Páscoa...

. Neste dia, aquele abraço!

. O último poema de Victor ...

. Soneto

.arquivos

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.tags

. todas as tags

blogs SAPO
.subscrever feeds