Domingo, 26 de Março de 2006
Foi assim em Milheirós...

         
                               (Macro da flor na nossa mesa...)

Em Milheirós fomos ontem (sábado, 25) ao "Encontro da Poesia", para a nossa primeira "Noite de Poesia e Música".

Um pouco nervosos (especialmente eu!) talvez por causa do tempo, talvez pelo encontro de pessoas diferentes das que já nos habituamos...

Afinal estavam todos à nossa espera, de sorrisos estampados nos rostos e Gerberas pousadas nas mesas.

O Bar da Escola Dramática e Musical de Milheirós estava sempre cheio de pessoas ávidas em saber o que iríamos apresentar. Os sorrisos estampados nos rostos deram-me a confiança que julgara perdida! A Mamede e a Jó estavam ao meu lado e sentia a sua força...

Tomamos conhecimento com a Filipa Marques, professora de violino, e Nuno Ferreira, professor de piano, ambos jovens que irradiavam simpatia.

Desde logo estabelecemos uma cumplicidade mútua que se enraizou noite fora.

O Sr. Manuel Luís, presidente da Instituição, deu as boas vindas e apresentou-nos aos presentes que enchiam o Bar.

Maria Mamede apresentou o Movimentum - Arte e Cultura e estabeleceu a metodologia da Noite.  Começou a Sessão com um poema seu dedicado a Milheirós, logo seguido por José Gomes e Maria Jerónima que disseram poemas de António Gedeão e Augusto Gil, respectivamente. Nuno e Filipa deliciaram, ao piano e ao violino, com a "Variação de António Ferreira".

Foram declamados mais poemas de Gedeão, Pedro Homem de Melo, Augusto Gil, José Fanha e Manuel Alegre nas vozes de Maria  Mamede, José Gomes e Maria Jerónima. O Nuno e a Filipa encantaram com a sua graciosidade e virtuosismo interpretando-nos temas de "Forrest Gump", "Cinema Paraíso", música clássica, música Celta, além de outras.

Na segunda parte, os presentes perderam a timidez e disseram-nos poesia sua ou de outros autores, nomeadamente, Eugénia Fernanda que declamou "Poema a Milheirós (datado de 1939) e Manuel Luís que interpretou "Pedreiras de Milheirós, de 1991, de Frankin Costa.
Além de nós mais nove corajosos assistentes presentearam-nos com a sua arte de dizer e escrever.
José Silva, com uma viola emprestada, interpretou Trova do Vento que passa, de Manuel Alegre e pôs toda a gente a cantar:

"Dá-me uma gotinha de água
Dessa que eu ouço correr
Entre pedras e pedrinhas
Alguma gota há-de haver

Alguma gota há-de haver
Quero molhar a garganta
Quero cantar como a rola
Como a rola ninguém canta (...)
"

Nuno e Filipa encerraram a noite com "Tico Tico no Fubá", de Zequinha Abreu e num rítmo tal que puseram toda a gente a bater palmas...

Foi uma noite muito agradável.
Para continuar... disseram-nos!

José Gomes

sinto-me:
música: Gal Costa canta Tom Jobim - A Felicidade
publicado por zeca maneca às 23:24
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 24 de Março de 2006
Noite de Poesia em Vermoim

Antes de dar "passagem" à colocação deste convite no Blog, gostaria de explicar aos meus amigos leitores o "FIM" do Post anterior.

É simples!
Para ultrapassar o problema da capacidade de armazenamento do Sapo que estava quase em 100%, resolvi criar este blog que iria dar continuação ao outro quando atingisse o limite da capacidade.

Mas as visitas continuaram em massa ao Movimentum blog original, em deterimento deste. Num daqueles dias não, troquei as mãos e quando deveria ter posto um "stop" no Movimentum original, fui pôr logo neste!!!!

E a minha madrinha de blog até me saltou os cães...

Com a entrada da nova plataforma do Sapo (deixou de ser problema a capacidade de armazenamento) e com a paciência da minha filha, cá estamos a funcionar em pleno.

Assim, se quiserem visitar Movimentum é só clicar aqui; se quiserem visitar Movimentum 2, é só clicar aqui.

E agora não esqueçam e ajudem a divulgar a próxima "Noite de Poesia em Vermoim..."

 

Não se esqueçam da "Poesia na Net". Não esperem pelo último dia, mandem o mais tardar até à próxima quinta-feira.

Um bom fim de semana.

sinto-me:
música: Trova do Vento que Passa (Adriano C. Oliveira)
publicado por zeca maneca às 15:42
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 19 de Março de 2006
PONTO FINAL....
Encruzilhada.JPG
Como em tudo na vida há o momento certo:
Para sonhar...
Para acordar...
Para virar...
Para parar...

Por aqui me fico.
Obrigado por me terem aturado.

Para já, podem visitar.me no "Chuviscos" ou no "Movimentum".

Aquele abraço, muito, muito apertado.

José Gomes
19 de Março 2006
0,22 horas.
publicado por zeca maneca às 00:30
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Segunda-feira, 13 de Março de 2006
NOITE DE POESIA - FLOR DE INFESTA

Sexta feira, 17 de Março 2006, pelas 21,30 horas, Maria Mamede vai dinamizar as já habituais Noites de Poesia no Flor de Infesta.
O tema desta noite é "CARTAS".

Na segunda parte da Noite,  Maria Mamede fará a apresentação do livro de Poesia "Luminária" de Vítor Carvalhais.

Os poetas Luís Carvalho e Filomena Martins declamarão poemas deste livro.


 Livro 2.jpg
                         Luminária
                   
(Vítor Carvalhais)

Contamos com a vossa presença, Sexta-feira, no Grupo Dramático e Musical Flor de Infesta, Rua Padre Costa, 118, S. Mamede Infesta.

José Gomes


 

publicado por zeca maneca às 16:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 9 de Março de 2006
A Poesia na Net na Noite de Sábado, 4 Março 06
Resende.jpg 




Primavera de Narcisos

Primavera
É cores pastel
Sabores de mel

Primavera
É Renascer
Florescer

Primavera
É Esperança de Abundância
Latente numa Semente

Primavera
É sonhar
Atlântidas
Pr'além do Mar.

Primavera
É encanto
É feitiço
Primavera
É mudança
É sorriso de narciso
Na face de uma criança.

Primavera 
É esta Poesia
Que aquece
A Alma vazia.



          Manuela Pimenta
          Poesia na Net
          4 Março 06





Narcisos em tempo errado

Disseste que os narcisos
viriam na mesma hora
em que o sol me envolvesse.
Que em tuas mãos chegariam
ternura em molhos tecida.
Prometeste as mesmas cores
que em teu olhar ficariam
como promessa de amor
como uma luz renascida

Mas a vida em gargalhadas
das promessas desdenhou.
No meu colo em braçadas
narcisos irão florir
e o nosso tempo passou.

          Alice Duarte
          Poesia na Net
          4 Março 06






 “Momento Final”

Oiço a música ao longe
Enquanto estou no computador
Concentro-me para escrever,
Mas não sai nada.
Só começa a música
A entrar em mim
Já não sei se sou eu que a oiço,
Se é ela que toma conta de mim.
Movimento o corpo como uma autista
Ao ritmo da música.
Bateria, viola, violinos, vozes, aplausos…
Tudo soa dentro de mim
Com os dedos parados no teclado
Olho para as letras
E imagino-me a tocar o piano.
Não sei descrever como me sinto
Vivo a música intensamente
Sei que será assim
Até ao “Meu Momento Final”.

          Wind - Isabel Cruz
          Poesia na Net
          4 Março 06





Primavera

Como a primavera é bela
Fresca, verdejante, viçosa...
Sua seiva é como se fora donzela
Pura, arejada, odorosa.

O seu viço tem a frescura
Duma manhã fria de alvorada!
Contudo ela exala quentura
Da sua natureza aromatizada.

Primavera, flores em  botão,
Em seu seio fortalecidas...
Do seu ventre como então
Crescem raízes concebidas.

A primavera do calendário
Que em Março se esmera;
Tem no seu espaço hereditário
A natureza que a prolifera.

A natureza tem beleza
Como também seus anfitriões;
Porquanto é natural a riqueza
Oriunda das quatro estações.

Esta em questão tem o odor
Quer nos plantios ou roseirais,
Onde os seus brotos em flor
Inebriam, como o chilrear dos pardais.

A flor desabrocha o seu gérmen;
As andorinhas deixam a hibernação;
Os campos de verde se vestem
Tornando florida a vegetação.

A primavera vem acalentar
Numa toada verde, viçosa,
O meu projecto de perpetuar
A mais linda natureza em prosa.

          João Diogo
          Poesia na Net
          4 Março 06




 


Sem título

Eu queria escrever cartas de amor
Eternamente.
Viver entre palavras de amor
Escritas apenas, nunca ouvidas.
Respirar silêncios de amor,
Nunca entendidos.

O sentir na ponta da caneta,
O sofrimento traduzido na letra,
O prazer dessa angústia de amar
Entrando pelos olhos dentro.

Viver em cartas de amor,
Espojar-me no egoísmo profundo
De amar só no papel.

          Ana Duarte
          Poesia na Net
          4 Março 06

---------------------------------------------------------------
Esta foi a colaboração dos nossos poetas que participaram na "Poesia na Net", rubrica que "Noites de Poesia em Varmoim"  vem acarinhando há dois anos.
Obrigado pela participação.

José Gomes



publicado por zeca maneca às 15:48
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 6 de Março de 2006
Noites de Poesia em Vermoim... 4 de Março 06

Mar06 1.jpg
(São caras como estas com o prazer estampado nos rostos, que nos fazem continuar...)


Esta Noite em Vermoim foi diferente de todas as que fizemos até aqui... apesar do inverno rigoroso que nos presenteou com frio, vento e chuva, tivemos a "casa cheia"!
E se mais programas houvesse mais iriam...

Desta vez a Maria Mamede, já refeita dos problemas de saúde que a afastou do nosso convívio durante dois meses, tomou conta das operações e deu aquilo rítmo que faz estas Noites diferentes.

Muita gente inscrita para o tema proposto (14) e livre (22). Além dos "Poemas na Net", enviados pelo João Diogo, Alice Duarte, Manuela Pimenta, Ana Duarte e Isabel Cruz...

Os "Sons do Vento" (Ivone Delgado e Bruno Pedro) por motivos de saúde não puderam estar presentes, tendo Carlos Andrade assegurando a parte musical, encantando-nos com as suas interpretações de Zeca Afonso, Adriano, Fanhais, entre outros...
E até nos disse, de José Fanha, o poema "Romance Ingénuo de duas linhas paralelas"!

José Gomes lembrou o 22º aniversário da morte do Poeta, advogado, professor e animador cultural que foi Pedro Homem de Mello (não deixem de ver e ouvir
http://chuviscos.blogspot.com/).

José Silva, dando seguimento ao poema de Armindo Cardoso "Para Eles... a Primavera jamais chegará" (a tragédia da ponte de Entre os Rios, em 4 de Março de 2001), cantou-nos uma composição sua dedicada a um amigo que foi vítima deste desastre.

Foi uma Noite agradável, com muitas caras novas, com um poema dito pela Bruna, uma jovem que promete e que nos deliciou com a sua delicadeza e a maneira como leu o poema que escolheu.


Mar06 3.jpg
(A Bruna, atrás do Zé Silva, enquanto este pensa na sua intervenção, ouve atentamente a interpretação de um dos poetas)

Uma Noite agradável que se repetirá em 1 de Abril, tendo como tema "Abril das águas mil..."

Nota:
Alguns dos poemas que foram ditos na Noite de 4 de Março vão ser publicados neste blog a partir de quarta feira próxima.


José Gomes


-----------
"O Sol perguntou à Lua"
Adriano Correia de Oliveira
----------

publicado por zeca maneca às 20:07
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.posts recentes

. Depois de Férias

. Até um dia destes...

. Uma vida sempre a correr....

. Um soneto de Florbela Esp...

. DIA DA MÃE

. Uma viagem virtual por Ti...

. Páscoa...

. Neste dia, aquele abraço!

. O último poema de Victor ...

. Soneto

.arquivos

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.tags

. todas as tags

blogs SAPO
.subscrever feeds