Segunda-feira, 15 de Maio de 2006
Adriano Correia de Oliveira

ADRIANO CORREIA DE OLIVEIRA
 
Nas tuas mãos tomaste uma guitarra
Copo de vinho de alegria sã
Sangria de suor e de cigarra
Que à noite canta a festa da manhã.
 
(…)”
In “Memória de Adriano”, soneto de Ary dos Santos
 



Adriano Correia de Oliveira nasceu na Rua Formosa, 370, no Porto, a 9 de Abril de 1942.
 
Meses depois foi morar para Avintes, para a Quinta das Porcas, um local pitoresco do Rio Douro.
 
Fez a Escola Primária (em Avintes) e o Liceu no Porto (Liceu Alexandre Herculano).
 
Em 1957 foi fundada a União Académica de Avintes (UAA), da qual foi um dos fundadores. Foi aqui que se iniciou no Teatro Amador e foi atleta da equipa de voleibol desta associação e acompanhou-a desde os campeonatos regionais até à consagração de campeões nacionais da I Divisão.
 
Apenas com 17 anos (1959), matriculou-se na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra que acabou por não terminar.
 
Tornou-se atleta da secção de voleibol da AAC (Associação Académica de Coimbra), tendo sido, em 1960, campeão regional da II Divisão.
 
Ainda em 1959, integrado no Conjunto Ligeiro da Tuna Académica de Coimbra, abrilhantou bailes de estudantes, cantando e tocando guitarra eléctrica, ao lado de José Niza, José Cid, Proença de Carvalho e outros...
 
Tornou-se membro do Orfeão Académico, colaborou em serenatas, em manifestações musicais e culturais e participou activamente nos movimentos estudantis dos anos sessenta.
 

 

 

 

 

Iniciou-se no Fado Coimbra, acompanhando o Grupo Eduardo Melo nas serenatas pelas noites frias das ruas da cidade de Coimbra.
 
Numa festa de recepção aos caloiros, na Faculdade de Medicina de Lisboa, Adriano Correia de Oliveira cantou, pela primeira vez em público, a “Trova do Vento Que Passa”.
 
Adriano Correia de Oliveira recolheu, seleccionou e gravou canções de raiz popular, nomeadamente trechos do folclore minhoto, beirão e açoriano.
 
Gravou vários álbuns, cantou poemas de autores portugueses e melodias que encantaram e prevaleceram como baluartes da canção de intervenção. Ainda nos tempos de hoje essas canções emblemáticas continuam a ser bandeiras de luta do nosso dia a dia.
 
Ao lado de José Afonso, Manuel Freire, Luísa Bastos, José Jorge Letria, Francisco Fanhais, José Mário Branco – e tantos outros –, deu sempre o seu melhor, o seu testemunho do profundo amor à causa da Liberdade, levando – através das suas canções e dos seus actos -  mensagens, conforto e ânimo aos companheiros exilados, presos ou que tinham de sufocar os ideais democráticos.
 
Muito cedo nos deixou, quando estava no auge da sua carreira. A morte surpreendeu-o a 16 de Maio de 1982, em Avintes, com apenas 40 anos de idade.
 
(…)
 
O corpo grande a alma de menino
Trazia no olhar aquele assombro
De quem queria caber e não cabia.
 
Os pés fora do berço e do destino
Pediu uma cerveja e poesia.
E foi-se embora de viola ao ombro.
 
In “Adriano” soneto de Manuel Alegre
 
 
 

 

«Espero que o trabalho que está feito sirva para estimular os jovens
na procura de soluções  que retratem os problemas do seu tempo.»
 
Adriano Correia de Oliveira

 É tempo de Adriano voltar a cantar!

 


 

sinto-me: Deixem Adriano cantar...
música: "Lira" - canta Adriano Correia de Oliveira
publicado por zeca maneca às 23:00
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De wind a 16 de Maio de 2006 às 01:01
Esta éuma das músicas que mais gosto dele:) beijos
De soaresesilva a 17 de Maio de 2006 às 22:58
Ainda bem que vieste lembrar o Adriano Correia de Oliveira. Versos cheios de conteúdo, bela música e uma das vozes mais bonitas de Portugal. Parece que estamos a precisar de mais adrianos nesta fase tão má do nosso país...
De zeca maneca a 18 de Maio de 2006 às 10:42
Agradeço a chamada de atenção do G. Martins para o poema de Ary de dicado a Adriano (Memória) e que tem uma gralha ("são" quendo deveria ser "sã").

“Nas tuas mãos tomaste uma guitarra
Copo de vinho de alegria sã
Sangria de suor e de cigarra
Que à noite canta a festa da manhã."

No entanto quero referir toda a documentação que consultei mantém o mesmo erro.
Obrigado pelos avisos, GM.





Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.posts recentes

. Depois de Férias

. Até um dia destes...

. Uma vida sempre a correr....

. Um soneto de Florbela Esp...

. DIA DA MÃE

. Uma viagem virtual por Ti...

. Páscoa...

. Neste dia, aquele abraço!

. O último poema de Victor ...

. Soneto

.arquivos

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.tags

. todas as tags

blogs SAPO
.subscrever feeds