Sexta-feira, 18 de Abril de 2008
Uma viagem virtual por Timor

Dili by night from tasquinha - Almeida Serra

Depois de um mês em que tudo correu torto, em que tive de fazer das tripas coração para aguentar este pessoal que se foi abaixo devido à partida do Kique e da minha operação, cá estou a fazer-me forte e a dar estímulo à Sónia e ao Zé Manel. São circunstâncias da vida, há momentos maus, mas temos de os enfrentar… e a Vida tem que continuar!

Quero agradecer à Palmira Marques, de Coimbra, que me autorizou a transcrever este texto sobre Timor. E tenho-a de felicitar, pois para uma pessoa que nunca esteve em Timor, relatou esta “viagem” como se conhecesse estas terras palmo a palmo.

Obrigada, Palmira, pelo texto e pela autorização a transcrevê-lo neste blog.



Também eu ouço a chuva a cair...

 

Estou em Tutuala no extremo mais extremo de Timor Lorosae! A chuva branda cai de mansinho sobre o mar. Estou descalça e com roupas leves! O clima é fabuloso! Oiço no CD, música maubere, tocada em instrumentos indígenas com sons e vozes divinos! A mesa, coberta com taís[1], apresenta-me uma variedade de frutos apetitosos! O cheiro do café de Ermera, inebria o ar! Da janela, os verdes e os azuis misturam-se. O arco-íris, está lá, a compor o bouquet. Passei a Taprobana, mas valeu a pena: agora espraio-me nas areias de Tasi Tolu e subo o Tata-Mai-Lau. Entro no beiro[2] e vou a Ataúro, a ilhota que fica a duas horas de barco. Timor é tudo o que sonhei! Estou a 18 mil quilómetros do cantinho que me viu nascer, mas nem por isso estou infeliz. Deixei tudo para trás e parti um dia, qual descobridor quinhentista para chegar o aeroporto de Baucau numa chuvosa e cálida noite. À minha espera, meus amigos, Kirsty, Francisco de Gusmão, D. Eva e senhor Jacob. Segui com eles para uma[3], no centro de Dilí, perto do cemitério, no Bairro de Santa Cruz. Instalo-me: casa simples, mas acolhedora. No dia seguinte saio para o basar[4]. Muitos catuas[5] vendendo mânu-aman[6] barak[7].Tudo me espanta, mas nada me espanta mais do que discutir os preços com os vendedores. À boa maneira tradicional, regateamos e chegamos a um consenso. Tudo é comprado com muita discussão! Almoço na Olandina uma boa feijoada à portuguesa mas provo também as bolas de etu[8] com íkan[9].

Os dias vão passando e eu conhecendo a ilha: Laklubar, Barike, Venilale, Ossu, Vikeke, Lore, avançando cada vez mais para este, chego ao meridiano 127º: Lautém, uma das preferidas de Rui Cinaty:”As manhãs, mesas de bruma , de Lautém...”. Em Los Palos, reencontro minha amiga Enia, o marido Jery e as filhas, Jenia e Libertária (porque nasceu dia da Independência). Visito ainda a campa da irmã de Enia. Sigo para Mehara e chego por fim a Tutuala. Cova Lima e Ainaro, fazem parte doutro périplo. Depois Balibó, a fronteira com a Indonésia. Os vizinhos são acolhedores! Sigo por Ermera e passo por Aileu. Regresso a Dili. Deixo para mais tarde a visita ao enclave de Oekussi.

 

A chuva persiste. Inunda os cafezais e os campos de hare[10]. Estiro-me na rede e penso na casinha que comprei, restaurei e onde decido viver. Abri mais um capítulo da vida! Estou só! Mas a solidão enche-me. Nada mais preciso para ser feliz! Abdiquei de muita coisa, cruzei continentes e oceanos, venci batalhas fantasmagóricas! Agora, quero envelhecer ”cortar as unhas dos dedos das dificuldades e contornar águas encapeladas...Quero abrir a porta do armário e voltar a pôr as asas de falcão”. No entretanto, o candeeiro de ténue e trémula luz, ilumina a sala. Escrevo vorazmente com o receio de que a memória do futuro, desapareça, e com ela, todos os sonhos vividos, olhando o mapa do crocodilo. E um dia, pela tardinha, “a ventania bufada pela Dama austera da gadanha”, vai-me apagar e poderei então, deixar-me ir...sem medos, porque fui feliz!

 

Palmira Marques

 



[1]  pano tradicional timorense

[2] pequeno barco de pesca

[3] casa

[4] bazar,mercado

[5] velhos

[6] galos

[7] muitos

[8] arroz(cozinhado)

[9] peixe

[10] arroz (plantação)




Timor  - Por-do-Sol,  Setembro 04 - A. Serra


Espero que tenham gostado deste texto tanto como eu... mas sem a lágrima marota a tremelicar ao canto do olho!

Uma boa semana,



 
sinto-me: que tenho de dar volta à vida.
música: Timor - Xutos e Pontapés
tags:
publicado por zeca maneca às 23:54
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Julho de 2007
Recordações de Timor…

Milú Gomes - Timor - 1964 Pacto de Sangue Nobres há muitos. É verdade. Verdade. Homens muitos. É muito verdade. ...

Ler artigo
sinto-me: que preciso de férias!...
música: Timor - Xutos e Pontapés
tags:
publicado por zeca maneca às 22:18
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 6 de Dezembro de 2006
Lançamento do livro "...

Memórias da Dinastia de Bragança na Documentação da Misericórdia de Braga No sábado passado lá estivemos na Casa das A...

Ler artigo
sinto-me: às aranhas...
música: Ramelau Foho - tradicional timorense
tags:
publicado por zeca maneca às 20:06
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.posts recentes

. Uma viagem virtual por Ti...

. Recordações de Timor…

. Lançamento do livro "Memó...

.arquivos

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.tags

. todas as tags

blogs SAPO
.subscrever feeds